GTS Network

 

Colunas


MARKETING

Os novos desafios do Marketing
Maurício Góis



Durante décadas o marketing viveu na Era da Incerteza.


Era um momento bom para os empreendedores, pois incerto era tudo o que poderia dar errado. Para ter sucesso bastava fazer planejamento estratégico, perguntando: - que ações vamos implementar se, por acaso, o plano A não der certo e a vaca for para o brejo? Estratégia, então, era fazer exercícios de futurologia transformando dados em previsões e certeza subjetiva em incerteza objetiva. Espiar o futuro dava lucro.

Mas, hoje, vivemos na Era da Imprevisibilidade Louca.


É um momento ruim, pois a imprevisão total faz a estratégia paralizar, a tática empacar e o medo tomar conta. Mas diante deste quadro, o que um empreendedor pode fazer? Vejamos:

1. Duvide das declarações clássicas infalíveis. Uma empresa, recém chegada no Brasil, duvidou que o melhor argumento para se vender amaciantes era o 'branco total radiante', paradigma tido como verdade até pelas agências de propaganda. A empresa questionou - Ora, quando uma dona de casa lava uma roupa branca, ela fica admirando o branco alvo ou cheira a roupa e sente o odor de limpeza? Colocaram mais perfumes nos amaciantes e as vendas dispararam. Duvidar para crescer, - este é o novo desafio dos empreendedores.

2. Esqueça o segmento e busque nichos. Mulheres, - é segmento. Mulheres grávidas, - é nicho. Mulheres que se engravidaram aos 45 anos, - é um super nicho. Hoje, quem não tiver um nicho, terá um lixo de mercado. Descobrir e encantar nichos dá mais resultados que vender para segmentos. Quanto menor você for, - maior você será. Para isso, use o Database marketing para conversar com seu público-alvo. É o seu desafio para crescer.

3. Conquiste vantagem competitiva. Você ainda faz isso, basicamente, com preço baixo e diferenciação. Não ganha mais quem é melhor e, sim, diferente. Ser percebido como único em alguma coisa é o seu desafio diante da concorrência predatória, nem que seja com senso de humor: Meu caldo de galinha é o único que contém corococó. Crie posicionamento, pois a batalha continua sendo pela mente do cliente.

4. Tenha pesquisa numa mão e intuição na outra. Pela pesquisa a cama é o lugar mais perigoso do mundo, pois é onde mais se morreu até hoje. O empreendedor de sucesso sabe que pesquisa sem intuição é fracasso. E intuição sem pesquisa é derrota. Seu desafio é acreditar em seus palpites.

5. Não use míssel para matar minhocas. Para a maioria dos negócios o que mais funciona ainda é a mídia seletiva, o marketing direto, mala direta e telemarketing com enfoques novos. Obtenha uma resposta direta de seu cliente e mantenha um diálogo de fidelização.

6. Adote o cardiomarketing. O mundo mudou mas o coração humano continua carente de reconhecimento e afeto, portanto, não satisfaça, deslumbre; não venda, seduza.

7. Transforme subordinados em parceiros de sedução. A razão é simples: funcionários encantados encantarão clientes desencantados. Primeiro seduza os seus, depois os de fora. Vale lembrar: o lucro está lá fora.

8. Preocupe-se com uma causa, - não com seu negócio. Há empreendedores que se desesperam: - Será que a internet vai destruir meu negócio? Ora, com essa pergunta errada, você mostra que está orientado para você mesmo, não para o mercado e que não tem vocação para servir. A atitude certa é: - Ótimo, a internet cresce, é mais um canal de alternativa para eu atender meu amado cliente.

9. Irrite-se positivamente, pois a criatividade nasce da angústia. Alguém se irritou quando viu sua esposa limpando a orelha do nenê com um palito de fósforos e inventou os cotonetes. Um executivo se irritou, quando foi pagar a conta num restaurante e percebeu que estava sem dinheiro vivo na carteira, e inventou o Diners Club. O êxito nasce da irritação. Marketing ainda é a administração da criatividade. Para vencer os desafios que virão atualize paradigmas, seja fanático pela inovação contínua, desenvolva uma emoção competitiva e troque o medo do futuro pelas ferramentas certas.


Ver perfil deste colunista | Listar todas as colunas deste colunista