GTS Network

 

Colunas


GESTÃO

Líder tem Causa Nobre
Marco Aurélio Ferreira Vianna




Há quatro anos eu venho me dedicando com enorme intensidade à pesquisa e estudo sobre Líderes Brasileiros. Dentro de um projeto maior, que inclui livros, DVD’s, e claro palestras e seminários, eu já entrevistei cerca de trinta grandes líderes, tendo lido mais de cerca de quinze livros biográficos. É importante registrar que todos são brasileiros (apenas dois portugueses que fizeram toda sua vida profissional no Brasil foram incluídos). É claro que eu esperava encontrar fatos novos, e até inesperados. Entretanto, um deles, muito mais do que diferente, foi absolutamente surpreendente. Grandes Líderes não tem um projeto, tem uma causa mais nobre.

João Havelange, como presidente da FIFA em vinte anos multiplicou o negócio futebol de US$ 80 milhões de dólares (com M ) para US$ 250 bilhões de dólares( com B) Quando me explicava sua filosofia e seus valores, deixava claro que o dinheiro era conseqüência de diretrizes mais nobres que sempre adotou. Para ele futebol é instrumento de paz (lembra-se da Guerra na África que parou por um dia para ver o Rei Pelé jogar?), e mais do que isto é o segmento de negócio no mundo que possibilita o maior nível de mobilidade social. Alberto Saraiva, do Habib’s , maior rede de restaurantes árabes do mundo, conceitua o lucro como poesia, conseqüência de coisas bem feitas. Ele afirma que o Habib’s tem missão de dar a felicidade a seus clientes. Quando uma festa de aniversario para pessoas de classe baixa é feita em uma de suas filiais, ele tem orgulho e diz que sua empresa está propiciando uma conquista impossível em outros locais mais caros.

Luiza Helena, do Magazine Luiza, quando perguntei a razão de sucesso de sua empresa, respondeu de pronto: “A relação que tenho com a comunidade”. José Galló, presidente da campeã Lojas Renner não abre mão de priorizar o Encantamento dos Clientes como valor Supremo da Organização. Norberto Odebrecht, que hoje (com quase 90 anos)dedica doze horas de seu dia à Fundação Obebrecht. Em verdade ele orgulha-se de sua ação cidadã e dos conceitos da TEO Tecnologia Empresarial Odebrecht do que dos resultados econômicos em si. Sua fascinação em desenvolver o Todo fica patente em cada gesto, em cada ação.

Portanto, este é um Grito de Alerta, para o grande contingente de empresários que ainda acha que sua missão é simplesmente maximizar lucro. Lucro é subproduto de coisas bem feitas, dentro de uma causa mais nobre, de um objetivo maior.

Originalmente publicado na Revista Bens & Serviços da Fecomércio (RS)


Ver perfil deste colunista | Listar todas as colunas deste colunista