GTS Network

 

Colunas


GESTÃO

Os times invisíveis
Roberto Shinyashiki



Por: Roberto Shinyashiki

Vitórias e derrotas são construídas de acordo com nossa capacidade de fazer funcionar os times que existem em nossa vida.

Abra sua agenda e analise seus compromissos. Comece pensando na relação com a sua secretária: você já se deu conta de que os dois formam um time? Que tipo de time vocês são? Um time unido ou duas pessoas que fazem o que é preciso sem se comunicar, cada uma esperando que a outra esteja fazendo o que deve?

Você chega à reunião com seu pessoal e todos o olham com cara de quem diz: “Favor falar logo que eu tenho mais o que fazer”. Provavelmente seu pessoal não está entendendo que vocês precisam formar uma equipe afinada para realizar as metas programadas.

Sua ex-mulher lhe telefona pedindo dinheiro extra para o conserto do carro. Você fica irritado e pensa: “Será que ela não percebeu ainda que estamos separados há dez anos e eu não tenho nada a ver se o carro dela quebrou?” Mas o problema é que você tem a ver com isso. Porque ela usa o carro para levar os filhos que vocês tiveram, ou seja, seus filhos, à escola, à aula de inglês, à natação. E você e seus filhos são uma equipe para o resto da vida, mesmo que você esteja separado da mãe deles há dez anos. Ex-mulheres existem, mas ex-filhos não. Criar um time imbatível com o ex-cônjuge é fundamental para realizar um dos sonhos mais caros: ajudar os filhos a se tornarem adultos felizes.

Nossa vida é constituída de equipes de todos os tipos, com pessoas que freqüentemente não fazem o que achamos que deveriam fazer. Muitas vezes, somos nós que não entendemos o que é preciso fazer. Outras, nem percebemos que devíamos formar uma equipe com aquelas pessoas. Os times invisíveis da nossa vida são a base de nossas conquistas, mas a maioria das pessoas pensa que é pura perda de tempo cuidar deles.

Será que você está trabalhando para fazer de sua família um time imbatível? Há quanto tempo não tem uma reunião com seu time de casa para que todos falem de suas necessidades e sonhos? Reunir toda a família e trocar idéias, foram hábitos comuns antes da era da televisão. Hoje estão abandonados. E não me venha com essa história de não ter tempo. É só desligar a televisão durante seu programa favorito e chamar todo mundo para conversar (não para escutar seus sermões!). No começo, vai haver um monte de reclamações e cobranças. Talvez alguns achem pura perda de tempo. Mas depois todos vão entender as regras de funcionamento desse grupo, e a vida ficará mais fácil.

Outra equipe fundamental é o casal. Alguns casais vivem como se fossem adversários numa partida de tênis: jogam a bola longe para ficar bem difícil o outro pegar, complicam o jogo, vêem o cônjuge como um obstáculo a ser superado. Outros vivem como uma dupla de frescobol: jogam a bola pertinho, facilitam o jogo, vêem o parceiro como cúmplice. E você, facilita a vida de seu companheiro, como no frescobol, ou o vê como adversário numa partida de tênis?

Na empresa, os outros gerentes e você fazem parte do mesmo time? Será que vocês têm uma atitude colaboradora entre si ou competem como se cada um fosse o capitão do time adversário? Vivem sonegando informações, sabotando o projeto iniciado por outro departamento, criando boatos, vingando-se dos deslizes dos colegas em vez de passar as situações a limpo?

Talvez neste momento você esteja pensando: “Roberto, seria ótimo se o gerente de marketing lesse este artigo!” Adoraria que você o mostrasse a ele, mas será que ele vai receber esse texto de um amigo ou de um concorrente?

Melhor do que apresentar-lhe este artigo é parar e analisar o que você está fazendo para criar um time com as pessoas de sua vida. O que poderia fazer para estimular uma cultura de cooperação em sua vida afetiva, familiar e profissional?

Pense comigo.

Há quanto tempo você não faz um elogio a um colega numa reunião de gerência ou a seu filho num jantar em família?

Há quanto tempo você não faz uma visita a outro departamento para simplesmente conversar e oferecer ajuda?

Há quanto tempo você não se oferece para cuidar de seu filho quando ele está doente e sua mulher tem uma reunião importante? Afinal, cuidar dos filhos é tarefa para um time.

Estabeleça uma união com as pessoas importantes para você. Isso irá simplificar muito sua vida, pois elas vão perceber que você está ao lado delas.

Roberto Shinyashiki é psiquiatra, palestrante e autor de 12 títulos, entre eles o “Tudo ou Nada”, “Heróis de Verdade”, “Amar pode dar certo”, “O sucesso é ser feliz” e “A carícia essencial”.
 www.shinyashiki.com.br


Ver perfil deste colunista | Listar todas as colunas deste colunista