GTS Network

 

Colunas


GESTÃO

Os profissionais da falsa mudança
Maurício Góis



Hoje em dia o que está no ar é a mudancite. Trata-se de uma doença que pega todo mundo que está comprometido com a Era das Mudanças, mas não entendeu ainda como ela funciona. A mudancite contamina os profissionais viciados em mudanças.

Os primeiros a serem contaminados são os gerentes. Muitos deles, no mesmo dia em que são promovidos, pensam que a função deles é provocar mudanças, é revolucionar conceitos, é fazer tudo ficar à maneira deles. Tais gerentes esquecem que, muitas vezes, o importante não é mudar, - é fazer funcionar melhor o que já existe. O raciocínio dos gerentes vítimas da mudancite é este: - Bem, se eu mudar tudo aqui neste cargo, eu vou mostrar que o gerente anterior estava errado, vou ser visto como um revolucionário e, serei brevemente promovido a diretor. Tais gerentes, escravos da mudancite, colocam a sua carreira na frente da empresa e minha experiência tem mostrado que quase sempre acabam se dando mal. Entenda, meu gerente que, na maioria das vezes, você não é pago para fazer mudanças e, sim, para otimizar o já existente.

Outro tipo de contaminação é o da mudança nominal, isto é, quando alteram-se as terminologias mas a coisa e o conceito da coisa continua na mesma. Veja um exemplo. Você já ouviu falar que o importante é ter foco no cliente. Depois, "mudaram" este conceito. Passaram a dizer que não basta mais ter foco no cliente. É preciso ter foco no foco do cliente. E hoje se prega que o importante é ser multifocal. Ora, bolas, todo foco no cliente deve ser no foco do foco do cliente. Se você diz que tem foco no cliente e este foco não é sobre o foco do cliente, então, você não está tendo foco no cliente. Quem sabe está tendo foco no produto ou foco no que acha que o cliente deveria achar. Foco no foco do cliente é o foco corretamente no cliente, portanto, não mudou nada.

Pense assim: se todo mundo está mudando, não mudar pode ser a melhor estratégia minha, desde que a decisão de não mudar seja nascida de uma opção criativa. Veja os produtos que não mudaram como Pomada Minancora, Pastilhas Valda, Catupiry, Maisena e muitos outros. Navegar nas mudanças é preciso. Mas cuidado com a mudança burra. Mude a cada dia suas atitudes, posturas e técnicas porque o cliente mudou. Pergunte: o que eu tenho que mudar se o presidente Lula ganhar o Oscar "Esperanças Perdidas?"Questione: - O que eu tenho que mudar se cambiarem as variáveis incontroláveis do mercado, da legislação e das políticas? Muitas vezes mudam-se as moscas, mas a podridão continua na mesma. E não é isso que você quer quando o que está em jogo é sua carreira profissional.


Ver perfil deste colunista | Listar todas as colunas deste colunista